Países europeus que protestam contra desmatamento no Brasil compraram mais de US$ 6 bilhões do agro brasileiro no ano

É o equivalente a 10% do que o país faturou com exportações entre janeiro e agosto. Em carta, nações disseram que o aumento do desmatamento dificulta a compra de produtos brasileiros por consumidores do continente. Desmatamento: governo planeja levar embaixadores à Amazônia em outubro, diz Mourão Os países europeus que disseram nesta semana que o aumento do desmatamento dificulta compras de produtos do Brasil foram responsáveis por cerca de 10% do que o agronegócio brasileiro faturou com exportações neste ano, de janeiro a agosto. Alemanha, Dinamarca, França, Itália, Holanda, Noruega, Reino Unido e Bélgica, que assinaram carta ao governo brasileiro criticando "altas taxas" de "desflorestamento", compraram US$ 6,77 bilhões em produtos agropecuários do Brasil no período, o equivalente a 9,71% do que o setor vendeu ao exterior (US$ 69,6 bilhões). Para efeito de comparação, a China, maior cliente do agro, importou US$ 26,43 bilhões de janeiro a agosto, representando 37,96% das exportações brasileiras em valores. Esses oito países europeus gastaram 4,15% mais com produtos do agro brasileiro do que em relação ao mesmo período de 2019 - o setor viu um crescimento nas exportações mesmo com a pandemia. Vendas do agro a países da Europa Juliane Souza/G1 Parte desse grupo também concorre com o Brasil no fornecimento mundial de alimentos e conta com subsídios da União Europeia para conseguir mais competitividade frente ao produto brasileiro (leia mais abaixo). Países europeus cobram Brasil por medidas para conter o desmatamento na Amazônia O que compram? Somando a compra dos oito países, café verde, soja em grãos, farelo de soja e carnes foram os itens mais negociados. Desses produtos, um pouco da soja e boa parte da produção de carne bovina vêm do bioma Amazônia, onde houve aumento nos alertas de desmatamento em agosto. Na liderança desses países está a Holanda, que importou US$ 2,63 bilhões de janeiro a agosto deste ano, crescimento de 21,2% na comparação com o ano passado. A compra holandesa foi, principalmente, de soja em grãos (US$ 1,07 bilhão), farelo de soja (US$ 478,4 milhões) e suco de laranja (US$ 291,6 milhões). ONGs e empresários cobram governo contra desmatamento Na sequência está a Alemanha, que comprou US$ 1,16 bilhão do nosso país, queda de 4,98% em relação ao ano passado. Café verde (US$ 582,3 milhões), farelo de soja (US$ 354,4 milhões) e carne de frango (US$ 42,2 milhões) foram os itens mais importados. Completa o top-3 a Bélgica, que comprou US$ 858,9 milhões do agronegócio brasileiro, queda de 22% em relação ao ano passado. O motivo da baixa é que o país comprou quase 50% menos suco de laranja do Brasil. Porém, vale lembrar que o principal polo de produção da fruta do país fica no Sudeste, não na Amazônia. Café verde (US$ 229,8 milhões), fumo (US$ 270,9 milhões) e suco de laranja (US$ 223,5 milhões) lideram as importações. Pressão dos consumidores Os oito países enviaram na terça-feira (15) uma carta ao vice-presidente da República, Hamilton Mourão, em que dizem que o aumento do desmatamento dificulta a compra de produtos brasileiros por consumidores do continente. O documento é assinado pela Parceria das Declarações de Amsterdã, grupo formado por Alemanha (atualmente na presidência), Dinamarca, França, Itália, Holanda, Noruega e Reino Unido. Os sete países europeus dizem estar comprometidos em liminar o desmatamento das cadeias de produtos agrícolas vendidos para a Europa. A Bélgica também assinou a carta aberta. “Na Europa, há um interesse legítimo no sentido de que os produtos e alimentos sejam produzidos de forma justa, ambientalmente adequada e sustentável. Como resposta a isso, agentes comerciais, como fornecedores, negociantes e investidores, vêm refletindo cada vez mais esse interesse em suas estratégias corporativas”, afirma um trecho da carta. O Brasil é um dos maiores produtores e exportadores mundiais de alimentos. Isso o torna um fornecedor seguro e consistente, porém, o abalo na imagem do país em relação à preservação do meio ambiente pode fechar mercados. “A maior pressão vem do consumidor para cima, o chamado 'bottom-up'. As empresas até têm alguma dose de repúdio interno (ao desmatamento), mas estão sempre de olho no consumidor, que é mais sensíveis às notícias”, explica Carlos Coelho, professor de relações internacionais da PUC-Rio. O país vem sofrendo, desde a crise das queimadas na Amazônia no ano passado, pressão de empresas e investidores sobre o aumento no desmatamento. “A nossa preocupação é chegar em um momento onde o preço mais baixo do produto brasileiro não compense o nível de reclamações dos consumidores”, acrescenta Coelho. Vista aérea de área queimada na Amazônia, perto de Apuí, no Amazonas, no dia 11 de agosto. Ueslei Marcelino/Reuters O grupo de países diz que ações tomadas pelo Brasil no passado, como o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desflorestamento na Amazônia Legal, o Código Florestal Brasileiro e a Moratória da Soja na Amazônia, são reconheci

Países europeus que protestam contra desmatamento no Brasil compraram mais de US$ 6 bilhões do agro brasileiro no ano
É o equivalente a 10% do que o país faturou com exportações entre janeiro e agosto. Em carta, nações disseram que o aumento do desmatamento dificulta a compra de produtos brasileiros por consumidores do continente. Desmatamento: governo planeja levar embaixadores à Amazônia em outubro, diz Mourão Os países europeus que disseram nesta semana que o aumento do desmatamento dificulta compras de produtos do Brasil foram responsáveis por cerca de 10% do que o agronegócio brasileiro faturou com exportações neste ano, de janeiro a agosto. Alemanha, Dinamarca, França, Itália, Holanda, Noruega, Reino Unido e Bélgica, que assinaram carta ao governo brasileiro criticando "altas taxas" de "desflorestamento", compraram US$ 6,77 bilhões em produtos agropecuários do Brasil no período, o equivalente a 9,71% do que o setor vendeu ao exterior (US$ 69,6 bilhões). Para efeito de comparação, a China, maior cliente do agro, importou US$ 26,43 bilhões de janeiro a agosto, representando 37,96% das exportações brasileiras em valores. Esses oito países europeus gastaram 4,15% mais com produtos do agro brasileiro do que em relação ao mesmo período de 2019 - o setor viu um crescimento nas exportações mesmo com a pandemia. Vendas do agro a países da Europa Juliane Souza/G1 Parte desse grupo também concorre com o Brasil no fornecimento mundial de alimentos e conta com subsídios da União Europeia para conseguir mais competitividade frente ao produto brasileiro (leia mais abaixo). Países europeus cobram Brasil por medidas para conter o desmatamento na Amazônia O que compram? Somando a compra dos oito países, café verde, soja em grãos, farelo de soja e carnes foram os itens mais negociados. Desses produtos, um pouco da soja e boa parte da produção de carne bovina vêm do bioma Amazônia, onde houve aumento nos alertas de desmatamento em agosto. Na liderança desses países está a Holanda, que importou US$ 2,63 bilhões de janeiro a agosto deste ano, crescimento de 21,2% na comparação com o ano passado. A compra holandesa foi, principalmente, de soja em grãos (US$ 1,07 bilhão), farelo de soja (US$ 478,4 milhões) e suco de laranja (US$ 291,6 milhões). ONGs e empresários cobram governo contra desmatamento Na sequência está a Alemanha, que comprou US$ 1,16 bilhão do nosso país, queda de 4,98% em relação ao ano passado. Café verde (US$ 582,3 milhões), farelo de soja (US$ 354,4 milhões) e carne de frango (US$ 42,2 milhões) foram os itens mais importados. Completa o top-3 a Bélgica, que comprou US$ 858,9 milhões do agronegócio brasileiro, queda de 22% em relação ao ano passado. O motivo da baixa é que o país comprou quase 50% menos suco de laranja do Brasil. Porém, vale lembrar que o principal polo de produção da fruta do país fica no Sudeste, não na Amazônia. Café verde (US$ 229,8 milhões), fumo (US$ 270,9 milhões) e suco de laranja (US$ 223,5 milhões) lideram as importações. Pressão dos consumidores Os oito países enviaram na terça-feira (15) uma carta ao vice-presidente da República, Hamilton Mourão, em que dizem que o aumento do desmatamento dificulta a compra de produtos brasileiros por consumidores do continente. O documento é assinado pela Parceria das Declarações de Amsterdã, grupo formado por Alemanha (atualmente na presidência), Dinamarca, França, Itália, Holanda, Noruega e Reino Unido. Os sete países europeus dizem estar comprometidos em liminar o desmatamento das cadeias de produtos agrícolas vendidos para a Europa. A Bélgica também assinou a carta aberta. “Na Europa, há um interesse legítimo no sentido de que os produtos e alimentos sejam produzidos de forma justa, ambientalmente adequada e sustentável. Como resposta a isso, agentes comerciais, como fornecedores, negociantes e investidores, vêm refletindo cada vez mais esse interesse em suas estratégias corporativas”, afirma um trecho da carta. O Brasil é um dos maiores produtores e exportadores mundiais de alimentos. Isso o torna um fornecedor seguro e consistente, porém, o abalo na imagem do país em relação à preservação do meio ambiente pode fechar mercados. “A maior pressão vem do consumidor para cima, o chamado 'bottom-up'. As empresas até têm alguma dose de repúdio interno (ao desmatamento), mas estão sempre de olho no consumidor, que é mais sensíveis às notícias”, explica Carlos Coelho, professor de relações internacionais da PUC-Rio. O país vem sofrendo, desde a crise das queimadas na Amazônia no ano passado, pressão de empresas e investidores sobre o aumento no desmatamento. “A nossa preocupação é chegar em um momento onde o preço mais baixo do produto brasileiro não compense o nível de reclamações dos consumidores”, acrescenta Coelho. Vista aérea de área queimada na Amazônia, perto de Apuí, no Amazonas, no dia 11 de agosto. Ueslei Marcelino/Reuters O grupo de países diz que ações tomadas pelo Brasil no passado, como o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desflorestamento na Amazônia Legal, o Código Florestal Brasileiro e a Moratória da Soja na Amazônia, são reconhecidos pelo efeito que tiveram na redução do desmatamento. Porém, alerta que o desmatamento aumentou em “taxas alarmantes”. Isso, segundo o grupo de países, criou uma preocupação na comunidade europeia. Embora demonstrem preocupação, a declaração dos europeus também tem um contexto político, além da questão ambiental. Os países do continente contam com grandes subsídios da União Europeia para que possam concorrer com o produto brasileiro. Subsídios para a produção rural na União Europeia atingiu cifras bilionárias em 2017 Diana Yukari/G1 Dos países que assinam a carta, a França é a maior potência agrícola do bloco, concorrendo com o Brasil especialmente na produção de soja, leite e derivados. A Alemanha também é outro grande produtor mundial, especialmente de carnes. Efeitos a longo prazo Para Carlos Coelho, professor da PUC-Rio, embora esses oito países estejam bem atrás da China, os europeus ainda têm grande influência no mercado mundial. Na avaliação dele, a queixa pode prejudicar um grande objetivo do governo brasileiro, que é o de sacramentar o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. Em entrevista ao G1 em junho, o embaixador da Alemanha no Brasil, Georg Witschel, disse que o aumento do desmatamento na Amazônia está tornando “cada vez mais difícil” a ratificação do acordo de livre comércio entre os blocos. Mourão diz que acordo do Mercosul com União Europeia 'parece que começou a fazer água' “A carta gera mais barulho, e todo barulho significa fragmentação da capacidade negocial brasileira, inclusive do Acordo União Europeia-Mercosul”, explica Coelho. O pacto, que depende ainda da aprovação de todos os países envolvidos, traria fôlego para a economia e gera grande interesse para a agropecuária brasileira. Resposta do governo brasileiro Mourão, que presidente o Conselho da Amazônia, disse a jornalistas na quarta-feira (16) que o tema foi tratado em reunião dele com os ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Tereza Cristina (Agricultura). O vice-presidente afirmou que Itamaraty deve procurar o embaixador da Alemanha para conversar sobre o posicionamento dos oito países. Ele também informou que o governo brasileiro vai organizar uma viagem de embaixadores à Amazônia. Sem provas, Mourão diz que opositor no Inpe prioriza divulgação de dados negativos "A decisão é que o Itamaraty vai conversar com o embaixador alemão. Na carta, eles colocam os representantes deles à disposição para o diálogo, daí nós estamos planejando aquela viagem, que já falei para vocês, à Amazônia, que vai ser feita no final de outubro. Então, é isso que debatemos ali", afirmou o vice-presidente. Segundo Mourão, o Brasil não esconde a situação da Amazônia, mas não vai aceitar narrativas “simplistas” ou "distorcidas". Ele afirmou que os crimes ambientais prejudicam a imagem do país e atrapalham negócios. "Os crimes ambientais deixam nosso país vulnerável a campanhas difamatórias, abrindo caminho para que interesses protecionistas levantem barreiras comerciais injustificáveis contra as exportações do agronegócio", disse Mourão. VÍDEOS: tudo sobre agronegócio